hegel.net - começando   apronta-se do artigo   Fenomenología do espírito   FAQ   jogo   informação   correio eletrônico
comienzo do pégina      en fr it es br

1. A POLÍTICA:

2. TEORIA

3. A LÓGICA:

4. A FILOSOFIA DE NATUREZA:

5. A FILOSOFIA DE ESPÍRITO:

6. A METODOLOGIA:

7. A HISTÓRIA:

X. MAIS AINDA INTERROGUE


1. A POLÍTICA:

1,1. Hegel não era um totalitário?

Não.

O "totalitarismo" é um conceito relativamente novo. Foi empregado para o primeiro tempo no século de XXth, principalmente definir uma forma de organização política onde há a tentativa subordinar o comportamento inteiro e a consciência de cada único indivíduo e a complexidade de uma sociedade inteira (e seus corpos institucionalizado diferentes) a um princípio raro, que é considerado como o valor "puro" "alto".

Levar em conta esta definição, está profundamente errados definir Hegel como um totalitário.

Primeiramente, Hegel viveu em Alemanha entre o fim do XVIIth e o começo do século de XIXth, um tempo onde nenhum formas totalitárias de governo existido, portanto seria anacrônico projetar nos meios de filósofo de pensar e experiências políticas que não são adequado dseu tempo.

Segundamente, não é regular possível achar em elementos políticos de filosofia do Hegel que teria influenciado ainda-a-vem regimes totalitários. Um caráter distinto de Lógica do Hegel, que também é lembrado nseua filosofia política, é isso "a verdade é o total". E o "total", isso é os "universais", não seria "universal" se não incluiu em si o "particular". Em outros termos, ideal não "universal" pode ser imposto, abstratamente, no "particular", na complexidade e a riqueza dos muitos "pormenores", porque tal imposição contradizriam o mesmo caráter do "universal", fazendo-o justo outro, forma perigosamente dogmática de "particular". Este meio que Hegel - ria teve conhecimento de totalitarismo como uma forma de político pensou - teria considerado-o, como é, a pior forma de obscurantism e dogmatismo.

Terceiramente, não é possível achar em filosofia política do Hegel qualquer elo a formas "cumpridas" reais de totalitarismo. Por exemplo, Hegel "Filosofia de Direito" considera a família e sociedade civil como momentos cruciais no desenvolvimento de cada indivíduo. O Hegel reconhecem explicitamente todo sobre este trabalho que a "privacidade" da família é sagrado, e que a independência de sociedade civil é um das características distintivas de vezes modernas. Opõe-se qualquer tentativa em atacar tais pilares da sociedade como um total. Isso é exatamente o contrário de ele que foi tentado em século de XXth regimes totalitários, onde sociedade civil foi subordinado ao "Partido" e privacidade da família seu categorizado com ataque feroz.

Os filósofos que tentaram de descrever Hegel como um totalitário (tal como Popper de Karl e Russell de Bertrand) simplesmente interpretam mal Hegel, não tomou o tempo de entender o que ele realmente tem que dizer, e cometeu o erro lamentável usar filosofia do Hegel como um assunto de propaganda invertida contra Alemanha Nazista e Rússia Soviética no período depois de Segunda Guerra Mundial, com um olho na vinda Guerra Fria. Agora que a Guerra Fria está sobre, é necessário reexaminar filosofia política do Hegel e definitivamente abandona tal grosso e interpretações enganadoras de ele, causado pelo feio "espírito dessas vezes.

1,2. Hegel não era lacaio da Monarquia prussiana?

Não.

Antes de tudo, descrição do Hegel do Estado racional nseu "Filosofia de Direito" (1821) não podem ser identificados absolutamente com uma descrição da Monarquia prussiana no Hegel de tempo escrevia. O Hegel descrevia o tipo de Estado esse liberal e reformadores prussianos progressivos (tal como Stein, mas particularmente Hardenberg e Altenstein) teriam gostado de estabelecer se teriam sido dados as possibilidades por III de Willians de Frederick de Reis e seus séquitos de reacionários.

Filosofia política do Hegel - com seu apoio para constitutionalism, debate parlamentar público, eleições livres e um serviço público forte - foi considerado com suspeita pela Monarquia prussiana em que veu em ele um tipo de realização moderada dos princípios proclamado pela Revolução francesa em 1789.

Para estas razões, Hegel raramente foi convidado Cortejar. O episódio só bem-documentado, concernente um jantar com o Príncipe herdeiro prussiano e IV futuro de William de Frederick de Rei, testemunhas como enrijecem as relações estavam entre Hegel e a Corte. Durante esse jantar, o Príncipe herdeiro atacou amigo do Hegel e discípulo primeiro, Gans associado de Eduard de professor, para seuas idéias liberais, sugerindo que Hegel deve tomar direto controla sobre conferências do Gans em ...filosofia de Hegelian.

Além do mais, devido à oposição de um meio acadêmico conservador e a Corte, Hegel nunca fizeram pela Academia Real de Ciência em Berlim, contrário aos intelectuais importantes ensinando em Prússia.

O rolamento todo isto em mente, a declaração freqüentemente repetida velha que Hegel era o "Filósofo de Estado" em Prússia totalmente tem que ser rejeitado. Só não era Hegel ameaçou pelo Príncipe herdeiro e excluido por uma posição acadêmica prestigiosa: seu nome também é mencionado muitas vezes em relatórios de Polícia do tempo, como o de uma pessoa envolvido em espalhar liberal e idéias progressivas.

Finalmente, enquanto Hegel permaneceu um monarquista constitucional até o fim dseua vida, ele nunca atribuiu importância excessiva ao papel do soberano. Durante seuas lições na filosofia de direito ele afirmou que o poder do monarca consistiu só em ditado "sim" e então "pontilha o eu".

A preferência do Hegel para Monarquia foi baseada em condenações lógico/filosóficos: isso há um representante só da "personalidade" do Estado (e este papel está atribuído, também em estados modernos, a um monarca ou para um Presidente da República); e esse consitutional e Monarquia parlamentara resume-se em si formas todas as outras de governo (a aristocracia e democracia). Desta conta, emerge claramente que o tipo de Monarquia endossado por filosofia política do Hegel não pode ser identificado com autocracia nem ditadura. Pelo contrário, pode ser comparado com o sistema de "Westminster" de governo, só com um papel mais crucial designou a serviço público

1,3. Hegel não era um nacionalista alemão?

Não.

Nacionalismo alemão começou próspero depois de 1807, em conseqüência de derrota humilhante do Prússia pelo exército do Napoleão e da ocupação da maioria do Império alemão anterior por tropas francesas. Embora compassivo à idéia de uma Alemanha unificada, Hegel nunca era nacionalista. Ele realmente endossou vitória do Napoleão sobre Prússia (justo como Goethe), vendo em ele o progresso em Alemanha das idéias nascido com a Revolução francesa.

Nacionalismo logo alemão desenvolveu-se numa forma de exaltação irracional de "alemão" de tudo, e a condenação de princípios estrangeiros (entre o, os uns da Revolução francesa). O primeiro defensor desta forma exaltada de nacionalismo eram Frita e Schleiermacher. Ambos deles eram adversários acadêmicos amargos de Hegel, que nunca cingiram este tipo de nacionalismo e permanecido cético em direção de qualquer glorificação de reacionário de "tipicamente alemão" tradições. Também em Berlim, Hegel permaneceu compassivo a França (durante uma viagem a Paris, ele escreveu a seua esposa que ele tinha chegado no "capital do mundo civilizado").

O Hegel era realmente acusado por nacionalistas alemães para ser "antipatriótico". Esta acusação pode ser achada em autores diferentes, tal como Haym de Rudolf e Treitschke de Heinrich.

Finalmente, tem que ser anotado isso (contrário a preconceito comum) Hegel nunca declarou que História teria culminado em Alemanha. O fato que seuas conferências na filosofia de fim de história com uma seção intitulado "O Mundo Germânico" deu origem a algum (culpado) entendendo mal. Em alemão, o título adequado é "Morre germanische Debruar", onde o "germanisch" de adjetivo faz de jeito nenhum refere ao "alemão" de palavra, o habitante de Alemanha (que, em linguagem do Goethe, realmente soa "Deutsch"). "Germânico" refere no contrário às pessoas que invadiram o Império romano no século de quarto/quinto dC: dessas tribos todas nações européias (eu.e. francês, alemães, italianos, Espanhoisól, russos, etc.) deriva.

1,4. Hegel não era Nazista?

Não.

Ideologia nazista é baseada em dois conceitos chave: a subdivisão de habitantes do mundo numa hierarquia de corridas biológicas (e, como uma conseqüência, nominalism antropológico); uma exaltação irracional de força, ação e violência em razão, pensaram e ordem social. Ambos princípios são totalmente incompatíveis com filosofia política do Hegel.

Conceito principal do Hegel, "Espírito", não podem em todo o caso é identificado com o de "corrida". Já no Hegel de "Phenomenology" pesadamente critica doutrinas pseudo-científicos que reivindicam ser capaz de explicar comportamento humano por "exterior e acidental" detalha tal como a forma da cabeça ou as características do corpo.

De acordo com Hegel, um das conquistas importantes de Christianism (e então da Revolução francesa) era a descoberta do conceito de "ser humano é" como tal. Nseu "Filosofia de Direito" (1821), reivindica que não é mais importante se um é chamado francês, alemão, judeu nem italiano, porque estas caraterizações são sublated no mesmo conceito de "ser humano é".

Além do mais, Hegel é um incondicional defensor de lei, codificação e racionalidade contra "tradição" e "sentimento". Nseu "Filosofia de Direito" declara que o respeito para a lei codificada é a "contra-senha" distinguindo o filósofo verdadeiro do fanaticist perigoso.

O rolamento isto em mente, não surpreende que filosofia do Hegel explicitamente foi rejeitada por Hitler de Adolf nseuas Conversas de Tabela de 1940.

1,5. Hegel não glorificou Guerra?

Não.

Em nenhuma parte em filosofia do Hegel possamos traçamos uma glorificação de guerra como tal. O Hegel lida com guerra como um "fato" inegável que caracteriza história humana e realidade; em vez de simplesmente despedindo este fenômeno como "mal", ele tenta de explicaá-lo e incorporar nseua concepção do "universal". A característica importante de filosofia do Hegel em general é movimento. A guerra, para todas seuas conseqüências de tragical e seu sufferences (e Hegel descreve-os sem qualquer tipo de emoção romântico ou exaltação, mas justo para como terrível são), traz movimento a história e às vezes permite o progresso na consciência de liberdade.

Deixe-nos tomar a Revolução francesa e as guerras Napoleônicas, por exemplo: em vez de simplesmente condenando estes acontecimentos como expressão violenta de cólera humana, Hegel localiza-os no próprio contexto, reconhece a violência de papel jogou nestes acontecimentos e o fato que sem violência os princípios da Revolução francesa não teriam espalhado. Deixe-nos não esquece-sisso "Paz Perpétua" não era único um conceito apresentou pelo Abbot de Santo-Pierre e Kant; era também o ideal declarado que inspirou o 'Aliança Sagrada'. Estabilidade eterna beneficia-se o privileged com respeito ao desprivilegiado.

Finalmente, seria um erro bruto projetar costas em Hegel o própria experiência com guerras contemporâneos. Quando escrever no século cedo de XIXth, Hegel não estava ciente do potencial destrutivo de armas modernas. É óbvio, mas tem que ser repetido: durante tempo de vida do Hegel, guerra era violenta, naturalmente, mas era também muito diferente. Os civis raramente foram envolvidos em ataques diretos; os poderes em guerra sempre contemplaram a possibilidade de paz. Não havia nenhumas armas capaz de destruir nações inteiras e pôr em perigo a mesma sobrevivência de vida humana na terra.

1,6. Hegel não disse que o Estado é Divino, nem regular que o Estado é Deus?

Não.

Há uma sentença famosa em Conferências do Hegel na Filosofia de História que mal esteve traduzida em inglês, de modo que assenta com o preconceito velho que Hegel identificou o Estado com Deus. A tradução maá é: "O Estado é o marcha de Deus por história". A tradução correta real, correspondente ao texto alemão, é: "Que o Estado existe, é como o marcha de Deus por história". Do texto adjacente, está claro que Hegel não afirma que o Estado é Deus. Acaba de usar uma metáfora teológica explicar que o Estado representa a encarnação de liberdade humana num jogo de instituições, justo como Cristo representar a encarnação de Deus em nossa história humana.

É verdadeiro que atributos de Hegel ao Estado uma função importante nseua filosofia política. Considera o Estado ser a encarnação alta do "espírito objetivo", a forma alta de liberdade institucionalizado jamais alcançado por homem. É importante anotar que Hegel considera um Estado ser racional, na medida é também livre: o mais um Estado particular é livre, o mais é perto de o conceito de Estado se.

O fato que Declara é tão importante a Hegel não diminui a função crucial dos momentos prévios do espírito objetivo, i.e. a família e sociedade civil. O Hegel nunca propõe "engolir" e os aniquilar no Estado. A existência de sociedade civil como tal é uma característica essencial de vezes modernas. Até política internacional está preocupada, Hegel estava bem ciente que qualquer Estado dado esteve limitado por seus interesses pessoais, e que esses interessa estavam com esses de outras nações.

Finalmente, sistema do Hegel não pode ser reduzido à seção do "espírito objetivo". Há uma realidade mais alta que o representado pelo Estado, e é constituído pelos três momentos do "espírito absoluto" : a Arte, Religião e Filosofia. Enquanto criar as condições de material que capacita artistas, teólogos e filósofos operar, o Estado não se pode impor nestes aspectos cruciais da liberdade de consciência.

1,7. Não faça Hegel dictum, "Realidade é Racional," obriga-nos aceitar Guerra, Atrocity e Injustiça?

Não.

O dictum do Hegel realmente lê: "o que é racional é real, o que é real é racional". É importante notar a sucessão de momentos nesta sentença famosa: primeiro vem "o racional é real", então vem "o real é racional".

Uma interpretação correta do dictum conta com o entendimento correto da palavra "real". Como Hegel se "realidade" explicada não corresponde a mera existência. "Real" é o que tem que acontecer, por causa das implicações já conteve em si. Em outros termos - tomar um exemplo - numa situação onde uma classe desprivilegiada descaradamente é explorado por um privileged um, há já os germes de revolta e mudança violenta. Essa revolta é então "real". O contingente e conseqüências terríveis de exploração e revoltam-se (tal como morte, injustiça, vingança) acompanham a realização do real, mas não são "real" se. São "acidentes" horrorosos.

De acordo com Hegel, o que é "racional", i.e. o que corresponde ao progresso na consciência de liberdade , deve acontecer, porque racionalidade - de acordo com a lição ensinado pelo argumento ontológico velho - pressupõe o própria existência. Portanto, o que é racional é também real no sentido explicado acima. Como uma conseqüência, o contrário é também corretos: o que é real é racional, i.e. corresponde ao progresso na consciência de liberdade.

É importante compreender que este resultado sempre não é advertido em filosofia do Hegel, nem história é uma "claro marcha ao Reino do Libertar". A filosofia do Hegel não faz previsão para o futuro: como Hegel disse, filosofia chega tarde demais. Enquanto ponto de vista do Hegel é que a consciência de liberdade finalmente progredirá, isto não é um resultado garantido, mas é o resultado de história como tal: e história só não é feita de acontecimentos "reais", mas também de elementos "contingentes", cuja força tem que ser medida.

Portanto, voltar à pergunta principal, o conceito do "realidade do racional" só explica que o que nós vemos ao redor de nós não é o resultado irracional de uma trama nem de violência e força bruta; em vez de é o resultado do tornar racional do real. Doravante a racionalidade dos lembretes reais que nos lutar contra injustiça e opressão, que são os componentes irracionais de história humana.

1,8. Hegel não disse que o relacionamento de Magistral/Escravo é o relacionamento eterno da humanidade?

Não.

O relacionamento de Magistral/Escravo ocupa uma seção às vezes subentendida relevante, mas não tão crucial dentro de Hegel "Phenomenology de Espírito". Algum escrebe, particularmente em França (onde eram expressões de tendências diferentes de existentialism), tentado em fazer este relacionamento a edição de âmago dentro de filosofia do Hegel, e um que mais tarde teria inspirado Marx e seu conceito da guerra de classe.

O que é importante em descrição do Hegel do relacionamento de Magistral/Escravo é antes de tudo o conceito de "luta para reconhecimento". O muito começando do relacionamento de Magistral/Escravo é causado por um dos partidos desta luta para reconhecimento abandona seua luta para temor da morte. Portanto o vencedor desta luta recebe seu reconhecimento pelo perdedor, que só pode sobreviver como um Escravo a seu novo Mestre.

O segundo ponto importante deste relacionamento é isso, de acordo com Hegel, é instável e destinou ser supera.

Do ponto de vista do Mestre, rapidamente é entendido que o própria essência de "Mestre" depende da boa vontade do Escravo: na medida o Escravo tem medo morrer defender se e seua liberdade, o Mestre permanecerá então. Ao mesmo tempo, é o trabalho duro do Escravo que realmente permite o Mestre permanecer forte e goza o conforto dseua vida. Tem que ser interrogado se isto era o tipo de reconhecimento o Mestre lutava para em primeiro lugar.

Do ponto de vista do Escravo, a consciência de ser essencial ao Mestre rapidamente avanços; pelseu trabalho, o Escravo entende que pode modificar e poder interpretar realidade, dando o própria contribuição ao mundo pelseuas criações. Ele gradualmente reconhecem que tem um ponto de vista no mundo e que este ponto de vista pesadamente condiciona a própria vida do Mestre.

Portanto, o relacionamento de Magistral/Escravo é destinado cair, logo que o Escravo reconhecem que merece ser livremente. Isto é um de porquê Hegel condenou escravização desde o começo seua vida. De acordo com nosso filósofo, o relacionamento de Magistral/Escravo não é "eterno", nem é ele a característica principal de vida humana.

1,9. Hegel não odiou áfrica e africanos?

Não.

O Hegel asperamente criticou áfrica em 1830 por causa dseua escravização forte de oposição. O Hegel fez esforços manter se informado na situação em áfrica. De acordo com seuas fontes (não sempre o bem informado) em 1830 as áfrica inteiras foi caracterizado pelo relacionamento de Magistral/Escravo em cada quarto de seua existência nacional. O Hegel veu em áfrica uma sociedade onde o conceito de "Estado", como uma forma de encarnação de liberdade humana num jogo de instituições, não mas tinham aparecido.

O tratamento do Hegel de áfrica não teve nada a ver com corrida. Tinha reconhecido que todas as outras nações no mundo eram também, em um tempo ou outro, completamente oprimido pelo relacionamento de Magistral/Escravo, e corrida não tiveram nada a ver com ele. O Hegel também reconheceu que outras nações tiveram só parcialmente superam seu relacionamento interno de Magistral/Escravo, então isto era sempre uma questão de grau. Doravante, em teoria do Hegel, áfrica era como cada outra nação na medida em que sempre teve o potencial superar seus relacionamentos internos de Magistral/Escravo.

É possível criticar falta do Hegel de informação em outros aspectos de cultura africana, mas é muito difícil de argumentar que seua posição foi baseada numa forma parcial de racismo ou intolerância. "Corra" nunca é mencionado por Hegel como um elemento relevante nseua apreciação de realidade. Bem o contrário, Hegel rejeitaram e explicações condenadas de comportamento humano baseado na aparência externa do corpo (como fez nseu "Phenomenology" como considera como pseudo-ciências tal como phrenology e physiognomics).

1,10. Hegel não era escritor de Euro-centric que veu todas culturas não-europeus como inferior nem deficiente?

Não.

O Hegel era um "Liberdade-centric" escritor que preferiria qualquer nação no mundo que demonstrou um grau maior de Liberdade que o outros. O Hegel acreditou que Europa depois que a Revolução francesa tinha alcançado, tinha comparado com outras nações, um grau mais alto na consciência de Liberdade que áfrica, Ásia Central, Ásia de Leste e América.

A condenação do Hegel foi baseada num estudo completo fundo de todas fontes disponíveis em Prússia de século de XIXth. É naturalmente possível criticar essas fontes e portanto encerra que foram induzidos e Euro-centric. Isso certamente não era falta do Hegel.

Entretanto, é importante reconhecer essa filosofia do Hegel de história estava no próprio tempo e contexto uma tentativa científica analisar o mundo existente e seu desenvolvimento histórico. Sejam um trabalho científico, é possível que algum de seuas conclusões necessita ser revisado e ser corrigido, assim como Hegel que se teria feito (e fez, semestre depois de semestre, sempre atualizando seu conhecimento às últimas fontes disponível).

1,11. Hegel não era patriarcal e anti-feminista?

Não.

O Hegel provavelmente lê literatura Feminista, incluindo o escritor pequeno-sabido, Hippel de von de Gottlieb de Theodor (1792) que escreveu dentro da órbita de Condorcet e o Paine-Godwin-círculo de Wollstonecraft. O livro do Hippel, "Em melhorar o Estado de Mulheres é talvez o ponto alto em século de XVIIIth feminismo prussiano. O strats de Hippel seu trabalho por declarar francamente isso "homens e mulheres são iguais", uma suposição que intelectuais não muitos, mesmo que com compaixões feministas, teriam ousado fazem nos 1700 atrasados.

Convencer ser sugerir - por um comparação fundo de ambos trabalho - que algum parte de tratamento do Hegel da família nseu "Filosofia de Direito" (1821) ser obrigado ao princípio conter livro do Hippel no estado de mulher. Entre os pontos importantes de contato, é possível mencionar o fato que Hegel trata mulheres e homens como possuidores iguais de propriedade dentro da família e também fora de ele, em sociedade civil, de modo que mulheres permanecem cidadãos independentes autônomos mesmo no caso eles não são casados.

Semelhantemente a o de "corrida", o conceito de "gênero" nunca jogou um papel de importan em filosofia do Hegel. A descrição do Hegel das diferenças entre o princípio "masculino" e o princípio "feminino" devem ser tomados como descrição externa de ele que que ele considerou, como uma criança dseu tempo, ser uma aproximação realista a realidade. Mas embora posição do Hegel em diferenças em caráter entre gêneros é, mas próprio tempo bastante típico ímpar (vê "Emile" do Rousseau), é possível reconhecer que seu tratamento de lei de família bem é avançado até a posição de mulheres e crianças é preocupada.

2. TEORIA

2,1. Hegel não disse que a idade moderna é o Fim de História?

Não.

Nseuas conferências na filosofia de história, Hegel nunca realmente menciona o "fim" de história. Pelo contrário, ele afirma isso "o comprimento de tempo é algo inteiramente relativo, e o elemento de espírito é eternidade. A duração...[] não pode ser dita pertencer a ele"; isto é um argumento claro evidente contra qualquer hipótese de uma interrupção (uma parada, um "fim") do movimento eterno do espírito.

Para esta razão, como Hegel esperado faz freqüentemente referência nseuas conferências à possibilidade de uma mais evolução em história.

Isto é o caso, famosamente, para julgamento do Hegel no desenvolvimento de parliamentarism, onde considera o funcionar de parlamentos modernos (em França) e observa que os problemas surgindo de ele "são que com qual história agora está ocupada, e cuja solução que tem que elaborar no futuro" (ênfase adicional). Além do mais, na Apresentação dseuas conferências, contravening a seua restrição normal de formular predições, Hegel definiram América e Rússia como "terras do futuro". Semelhantemente, numa letra contemporâneo a um estudante estoniano e para admirador, Üxküll de von de Boris de Barão, ele repetiu a mesma consideração com referência a Rússia só.

O conceito do Fim de necessidades de História ser interpretado, verdadeiramente à tradição autêntica de Hegelian, no sentido de uma Meta de História. De acordo com Hegel, seu meio de analisar história difere dos tratamentos tradicionais deste assunto. Seua história é "filosófica", no sentido que tem que ser interpretado como a tentativa pelo filósofo ler o desenvolvimento de espírito humano racionalmente, achando o que em é ser definido "real" e portanto corresponde ao progresso na consciência de liberdade. A Meta de História, neste sentido, é o superar completo do relacionamento de Magistral/Escravo em negócios humanos. O Hegel já soube que esta Meta é um meio longo longe.

O conceito essa História realmente "parou" não é ser achada em Hegel, mas em um de XXTH-SÉCULO intérpretes primeiros de Hegel, Kojève de Alexandre. Um exponente de Hegelianism francês nos 1930, Kojève interpretaram Hegel em tal meio que ele considerou o "luta para reconhecimento" como uma parte crucial dentro de sistema do Hegel, identificando esta luta com história se. De acordo com Kojève, a luta para reconhecimento acabado pelo espalhar dos valores da Revolução francesa com a vitória de Napoleão em Jena, em 1806. Subseqüentemente, história parou, e entramos um "coloca-histórico" idade, onde ser humano é ato como animais satisfeitos, com não mais impulso para ação. Mais recentemente, Fukuyama Americano de Francis de discípulo do Kojève escreveu que nossa sociedade de capitalistic, vitorioso sobre Comunismo agradece ao colapso do USSR, constitui o Fim de História.

Ambos pensadores meramente usaram filosofia do Hegel como uma inspiração para seuas conclusões de postmodern, profundamente deturpando o significado de idéias originais do Hegel.

2,2. O Hegel não é Absoluto a mesma como "Logomaquia", isso é umas dementes 'batalha de pensamentos, um overestimation ambicioso sem propósito de Razão?

Não.

De acordo com Hegel, Razão - ser razão - é por definição razoável. O abuso de Razão é claramente nenhum Razão mais longa. As cargas de 'Logomaquia' (e, semelhantemente, "Panlogism") vem das gerações de Kantians e Neo-Kantians que luta por vir denomina com desafio do Hegel a seu conselheiro, Kant. O Hegel fez uma revolução em Razão por desafiar hipótese do Kant da Coisa Incognoscível-em-se, seguindo os ataques em filosofia crítica já tentado por Jacobi, Fichte e Schelling.

O Hegel é não convencido pelas explicações tradicionais em como conhecimento acontece. Critica e rejeita as teorias de epistemological baseado na separação absoluta entre um assunto instruído e um objeto sabido. Para Hegel, 'assunto' e 'objeto' são os momentos de dialectical de uma unidade mais funda, o (dialectical) unidade de Pensar e Ser (e, do ponto de vista prático, de normative e propostas afirmativas). A razão não é tão impotente que não pode saber se, que não pode compreender se no mundo. Portanto, a hipótese de uma Coisa Incognoscível-em-se constitui uma limitação arbitrária das possibilidades de Razão.

O argumento do Hegel luta tendência de tanto OS Kantian como OS irrationalist em filosofia, cobra-os de inconsistência. Esses que advogam Kantianism devem acabar para cima sustentando cepticismo, a menos que eles se contradizem por declarar que estão seguros da existência de uma Coisa-em-se. Esses que advogam Irrationalism contradizem se, desde que argumentam (usando razão) que devíamos razão de devalue.

A lógica de dialectical do Hegel é o meio pelas contradições de cepticismo e irrationalism são resolvidos. O Kantians e Irrationalists têm Hegel freqüentemente acusado de sobreestimar Razão: entretanto, estas cargas não incluem uma crítica formal de lógica de dialectical do Hegel, e permanece infundado.

2,3. Se Hegel era um Metaphysician, isto não fa-lo irrelevante para vezes modernas?

Não.

O conceito de Metafísica supôs significados diferentes durante as idades, e particularmente com a tendência de positivistic em filosofia tornou-se synonimous com "concepção não científica" do mundo. O desenvolvimento de uma crítica de Metafísica neste sentido último é ser achado, primeiramente, em Galileo, quando contende essa ciência basear se em observação livre e não na confiança excessiva em "autoridades".

Um segundo golpe foi batido em por crítica do Hume do conceito de causality, que incitou uma resposta de emergência por Kant. A filosofia do Kant reintegrou-se a categoria de causality, junto com as categorias restantes, mas limitou seu alcance ao conhecimento de um mundo de fenômenos, negando esse homem pode saber realidade como realmente é. O Kant definiu como "Metafísica" velha qualquer filosofia que tentou quebrar os limites de conhecimento, por declarar o knowability da Coisa-em-se.

De acordo com esta definição de Kantian, filosofia do Hegel pode ser definida como "Metafísica", no sentido que orgulhosamente reivindica que a Coisa-em-se é knowable (e portanto cessa ser um "thing-in-itself").

Paradoxalmente, entretanto, Hegel teria definido filosofia de Kantian se como uma forma de "metafísica abstrata", por causa de tentativa do Kant em arbitrariamente limitando capacidades da Razão. O Hegel considerou o própria filosofia como "ciência", e ele insiste em sustentar seua filosofia em racionalismo.

Portanto, se Hegel é ser considerado um "Metaphysician", ele tem um ano num sentido limitado de Kantian; seua filosofia é o herdeiro de Metafísica antiga, mas não é mais uma forma de confiança ingênua em undemonstrated categorias: antes o contrário. A lógica de dialectical do Hegel, contrário a Kant "Crítica de Razão Pura" lida com a auto-fundação de categorias. As novas poses de "Metafísica" do Hegel de desafio a postmodernism é imóveis íntegras e a condenação de restos de racionalismo do Hegel unaccounted para.

2,4. Como alguns escritores podem justificar um Hegel Não-Metafísico?

Isto é possível, desde que estes escritores dão um significado diferente a "Metafísica" que o usado por Kant e Kantians. Como Hegel mencionado filosofia pode ser considerada é uma nova, forma insegura orgulhosa de "Metafísica" só se usamos este termo em seu contexto de Kantian. Se abandonamos definições de Kantian, filosofia do Hegel é - em termos de Hegelian - o alto de "ciências".

Portanto é compreensível que algum a maioria de filosoficamente cometido Marxista retornado a Hegel explicar análise do Marx de realidade, achando semelhanças fundas nos tanto Hegel como Marx de meio de explicar o mundo ao redor deles. Obviamente, isto não quer dizer que não havia nenhumas diferenças entre seuas duas filosofias.

2,5. A filosofia de Hegelian é não só outro sistema de crença para Crentes Verdadeiros segurar sobre absolutamente, e sem pergunta?

Não.

A filosofia do Hegel é a filosofia de Razão, e Hegel se apresenta seua filosofia como uma Ciência. Aí não possa ser um sistema de pensar menos perto de um "sistema de crença" que o de Hegel.

Se para "sistema de crença" um meio uma forma de confiança numa Verdade eterna, imutável externa, cujo lema podem ser resumidos como "est de absurdum de quia de credo", então filosofia do Hegel oferece milhares de provas de seua oposição firme a este tipo de fideism irracional. De acordo com Hegel, "a verdade é o total" - Verdade não supõe a forma de um dogma de incorruptible, mas incorpora em si o negativity de movimento, instabilidade, contradição e mudança. Isto é o kernel de lógica de dialectical do Hegel. O sistema do Hegel de pensar limites o papel de filosofia ao entendimento da situação presente e rejeita qualquer possibilidade de predizer o futuro. É um sistema "aberto" de pensar.

Se para "sistema de crença" um meio a confiança ingênua em capacidade imediata do homem interpretar realidade (por exemplo por sentido-certeza ou percepção), está claro essa filosofia do Hegel não oferece tal forma de segurança falsa. O Hegel "Phenomenology do Espírito" apresenta a odisséia de consciência por etapas diferentes de evolução em direção de conhecimento. Uma série complexa de sucessivo "sistemas de crença é demanteled, a base para qualquer dessas crenças é shuttered. "Phenomenology" do Hegel pode ser definido como "o Golgotha do Crente Verdadeiro".

2,6. Hegel não declarou que essa Arte está Morta?

Não precisamente.

O Hegel declarou essa Arte, ser a Arte, deve ser Livre. O conteúdo principal da Arte é Liberdade.

Entretanto, as condições econômicas da idade moderna põem pressão considerável em artistas comparado com antigo, vezes medievais de Renascença quando artistas foram apoiadas muito bem. Em artistas modernos de vezes deve apoiar se, e isto obriga muitos artistas sucumbir a pressões econômicas e para mercantilismo. Isto é a morte da Liberdade da Arte.

Nas mesmas vezes, particularmente no período clássico e no tempo dos gregos, a Arte representou uma forma reconhecida de conhecimento e interpretação de realidade. A consciência de liberdade progrediu desde, e em Espírito moderno de vezes achou meios mais apropriados interpretar se, entre qual Filosofia. Ninguém em vezes modernas daria crédito à Arte só como um meio exclusivo explicar, num meio detalhado, características essenciais de nossa realidade (tal como, por exemplo, a corrida armamentista nem o emergir de terrorismo internacional).

Para ambos razões, neste sentido, a Arte é suprimida consideravelmente na era moderna. Está "morto", no sentido que não é mais capaz de ser o veículo importante de conhecimento humano. Continuará a viver e a desenvolver-se, mas é desitned ser confinado a um espaço de delimited de poço, em presa de mercantilismo e outras pressões que consideravelmente limitarão seua liberdade.

2,7. Hegel não se viu, numa megalomania óbvia, como o Espírito Absoluto?

Não.

O Hegel realmente veu se como um Lutheran e nunca suposto que era o Espírito Absoluto.

De acordo com Hegel, nenhum indivíduo pode identificar se com o "Espírito Absoluto"; entretanto, fiel a seua consideração que o "universal", ser verdadeiramente universal, deve incluir em si a complexidade do "particular", Hegel consideraram esse cada indivíduo era parte do Espírito Absoluto, e que o Espírito Absoluto realmente sabe se, e está inseguro, pela atividade dos indivíduos.

Para esta razão, Hegel gostava de citar dictum famoso do Eckhardt de Meister: 'O olho com eu vejo Deus é o mesmo olho com qual Deus vê-me'.

3. A LÓGICA:

a vinda logo

4. A FILOSOFIA DE NATUREZA:

a vinda logo

5. A FILOSOFIA DE ESPÍRITO:

a vinda logo

6. A METODOLOGIA:

6,1. O Hegel é famoso para ser duro de ler, tão como um novato deve começar?

Como grande literatura secundária regular em Hegel freqüentemente inclui algumas partes problemáticas (e por longe a a maioria de parte do Hegel relacionou literatura secundária introduz mais problemas ao leitor que ajuda resolver), altamente é recomendado que você não conta com tal literatura mas lê Hegel se. Isto também o ajudará melhor julgar a literatura secundária (incluindo o próprio trabalho em Hegel.Rede).

Começar lendo Hegel adequado, o novato deve aproximar-se o fácil de escritos do Hegel, seuas CONFERÊNCIAS. O Hegel fornece conferências em história, filosofia, religião, a arte e ciência política. O novato deve começar com uma pesquisa -- começa com as conferências Introdutórias primeiro. Isto preparará o novato aproximar-se os escritos importantes de Hegel.

Uma vista geral mais detalhada de ele que ler como um novato da literatura secundária, primária larga de Hegel pode ser achado na página recomendada de leitura de nossos trabalhos de Hegel seciona em Hegel.Rede.

as respostas a 6,2 e para 6,3 - vindo logo

6,4. Algum diz que Hegel usou o método de: tese-antítese-síntese, e outros negam isto. É correto?

O a maioria de atormentar e lenda devastador-a de Hegel é que tudo é pensado em "tese, antítese, e síntese." []...Os textos reais de Hegel só ocasionalmente não desviam-se de "tese, antítese, e síntese," mas nada de exposiÇão do tipo. "Dialético" não faz para meio de Hegel "tese, antítese, e síntese." Meio dialético que qualquer "ism" - que tem um pólo oposto, ou é um ponto de vista especial partindo "o descanso" a si - deve ser criticado pela lógica de filosófico pensou, cujo problema é realidade como tal, o "Mundo-Se."

Lexikon de confiança de Hegel do Glockner de Hermann (4 volumes, Stuttgart, 1935) não alistam os termos de Fichtean "tese, antítese, síntese" junto. Em todos os vinte volumes de Hegel "completa trabalhos ele não usa esta "tríade" uma vez; nem faz ocorrer nos oito volumes de textos de Hegel, publicado para o primeiro tempo no vigésimo Século. Refere a "tese, antítese, e síntese" no Prefácio do Phaenomenology de Mente, onde considera a possibilidade de isto "triplicity " como um método ou lógica de filosofia. De acordo com a Hegel-Lenda um esperaria Hegel recomendar isto "triplicity ." Mas, depois que dizer que foi derivado de Kant, ele chama ele um "inanimado schema," "mero sombra" e conclui: "O fraude de sabedoria desse tipo é como rapidamente adquirido como é fácil de praticar. Seua repetição, quando uma vez é familiar, torna-se tão enfadonho quanto a repetição de qualquer bit de trenó-de-passa uma vez nós vemos por ele. O instrumento para produzir este formalism monótono é não mais difícil de manipular que a paleta de um pintor, em que mentem só duas cores ..." (Prefácio, Werke, II, 48-49).

No estudante anota, História publicada editada de Filosofia, menções de Hegel no capítulo de Kant, o "esquema inanimado do triplicity de tese, antítese, e síntese" (Schema de geistloses) por que o ritmo e movimento de conhecimento filosófico é artificialmente prescrevem (vorgezeichnet).

No primeiro livro importante sobre Hegel pelseu estudante, amigo íntimo e primeiro biographer, Rosenkranz de Karl (Leben de Hegels, 1844), "tese, antítese, síntese" são conspícuas por seua ausência. Parece Hegel era bastante bem sucedido em esconder seu suposto "método" de um dseus melhores estudantes.

A nova literatura muito importante de Hegel deste século ao todo abandonou a lenda. Werk de und de Wollen de Hegels do Haering de Theodor (2 vol., Teubner, 1929 e 1938) faz um cuidadoso estudo de Hegel terminologia e linguagem e não acha um vestígio de "tese, antítese, síntese." No segundo volume há algumas linhas (pp. 118, 126) em ele repeite que Hegel no acima de citação tinha dito se, i.e., que isto "lema convencional" está particularmente infeliz porque impede o entendimento de textos de Hegelian. Contanto que leitores pensam que têm que achar "tese, antítese, síntese" em Hegel que eles devem achaá-lo obscurecer - mas o que é obscuro não é Hegel mas seus óculos coloridos. Gotteslehre de kontemplative de ais de Philosophie do o Hegel do Iljin de Iwan (Berna, 1946) despede o "tese, antítese, síntese" lenda no Prefácio como um jogo infantil (Spielerei), que sequer nem alcança o frontal-alpendre de filosofia do Hegel.

Outros trabalhos significativos, como Glockner de Hermann, Hegel (2 vols., Stuttgart, 1929), Theodor Steinbüchel, Das Grundproblem der Hegelschen Philosophie (Bonn, 1933), e Theodor Litt, Hegel: Eine Kritische Erneuerung (Heidelberg, 1953), Emerich Coreth, S.J., Das Dialektische Sein em Hegels Logik (Wien, 1952), e muitos outros simplesmente negligenciou o lenda. No próprio monographs em Offenbarung de über de Hegel, Philosophie de und de Kirche (Munique, 1939) e Geschichte de und de Sittlichkeit de über de Hegel (Reinhardt, 1940), eu nunca achei qualquer "tese, antítese, síntese." Kroner de richard, nseua apresentação à edição inglesa de seleções de Escritos Teológicos Cedo do Hegel, põe-o suavemente quando diz: "Esta nova Lógica é de necessidade como dialectical como o movimento de pensar se. ... Mas é de modo algum a mera aplicação de uma fraude monótona que podia ser aprendida e podia ser repetida. Não é a mera imposição de um padrão jamais repetindo. Pode aparecer então na mente de alguns historiadores que catálogo a tendência viva de pensar, mas em realidade jamais muda, jamais cresce desenvolvimento; Hegel é em nenhuma parte pedante em conceitos urgentes num pronto-a-vestir molda. O tema de tese, anti-tese, e síntese, como o motivo de uma composição musical, tem muitas modulações e modificações. Nunca é "aplicado"; é se só uns pobres e abstração nem sequer útil de ele que realmente vai em em Lógica do Hegel."

Bem, manteremos isto "pobres e abstração não útil" em nosso sótão porque "alguns historiadores usaram ele como seu cavalho de baloiço? Nós antes concordamos com a conclusão de Flügge de Johannes: "Dialético não é o esquema de tese, antítese, e síntese imputado a Hegel."

Num ensaio por Hartmann de Nicolai em Hegel de und de Aristoteles, eu acho o seguir confirmação adicional de todas as outras testemunhas à interpretação errônea de Hegel dialético: "é uma opinião basicamente perversa (Ansicht de grundverkehrte) que vê a essência de dialético na tríade de tese, antítese, e síntese." A lenda foi espalhada por Marx de Karl cuja interpretação de Hegel é deturpada. É o Marxismo sobrepôsto em Hegel. A tese, antítese, síntese, Marx diz em Philosophie de der de Elend de Das, é fórmula puramente lógica do Hegel para o movimento de razão pura, e o sistema inteiro é gerado por este movimento de dialectical de tese, antítese, síntese de todas categorias. Esta razão pura, ele continua, é Sr. própria razão do Hegel, e história torna-se a história própria filosofia, ao passo que em realidade, tese, antítese, síntese são as categorias de movimentos de econornic. (Resumo de Capítulo II, Parágrafo 1.) As poucas passagens em Marx' escritos que assemelham-se filosofia não são o próprio. Praticam o hábito de communistic de expropriação sem compensação. Saber isto em general, eu também fui convencido que há uma fonte para isto "tese, antítese, e síntese," e eu finalmente descobri-o.

No inverno de 1835-36, um grupo de Kantians em Dresden chamou em Chalybäus de Moritz de Heinrich, professor de filosofia na Universidade de Kiel, a conferência a eles no novo movimento filosófico depois de Kant. Eram mais velhos, homens profissionais que em seua juventude tinha estado Kantians, e agora quis uma orientação num desenvolvimento que eles distrusted; mas eles também quiseram uma confirmação próprio Kantianism. Chalybäus de professor fez somente essas duas coisas. Seuas conferências apareceram em 1837 sob o Hegel de bis de Kant de von de Philosophie de speculativen de der de Entwicklung de Historische de título, Schule de neuesten de der de mit de Publikums de wissenschaftlichen de des de Verständigung de näherer de Zu. O livro era muito popular e aparecido em três edições. Em minha cópia da terceira edição de 1843, Chalybäus de Professor diz (p. 354) : "Isto é a primeira trilogia: a unidade de Ser, Nada e Tornando-se ... temos nesta primeira tese metódica, antítese, e síntese ... um exemplo nem schema para todo que segue." Isto era para Chalybäus uma corcova brilhante que ele não tinha usado previamente e não perseguiu depois em qualquer meio absolutamente. Mas Marx de Karl estava em, esse tempo estudante na universidade de Berlim e membro do Clube de Hegel onde o livro famoso foi discutido. Tomou a corcova e extensão numa maquinaria abstrata mortal. Outro Hegelians esquerdo, tal como Ruge de Arnold, Feuerbach de Ludwig, uso de Stirner de Max "tese, antítese, síntese" Hegel igualmente pequeno

(Citação do artigo de Gustav E. O Mueller: A Lenda de Hegel de "Thesis-Antithesis-Synthesis", em "Diário da História de Idéias, XIX de Volume, junho 1958, Página número 3 411. O artigo é imóvel como válido hoje como estava em 1958)

6,5. O que são os escritos importantes de Hegel

Enquanto a maioria de Hegel influência veio dseuas conferências, compilado em livros pelseus discípulos depois de morte do Hegel, estes são o major reserva Hegel escreveu e se publicou durante seu tempo de vida:

6,6. Como Hegel escritos importantes são relacionados um ao outro?

Todos escritos do Hegel são resumidos nseua ENCICLOPÉDIA.
A Lógica é a primeira parte.
Ciência natural é a segunda parte.
A Filosofia de Espírito é a terceira parte, incluindo a filosofia de espírito subjectivo, Direitos, História, a Arte e Religião.

A HISTÓRIA:

7,1. Eram as influências principais em filosofia do Hegel

Estes podem ser achados em nossa biografia de Hegel.

Autores principais que tiveram uma influência substancial em Hegel incluem os actores de tragédias gregos, Aristotle, Platão, Shakespeare, Descartes, Spinoza, Leibniz, Lessing, Rousseau, Montesquieu, Kant, Schiller, Goethe, Hölderlin, Fichte e Schelling.
No campo de "espírito objetivo", você também adicionaria o francês e autores de britânico em política e economia política.

7,2. Eram as influências principais em teologia do Hegel

O Hegel vem da escola de racionalismo teológico. O Rousseau, Lessing, Kant, Reimarus de Hermann, Herder de Johann e Paulus de Heinrich já tinham construído uma literatura que tentou explicar todos os milagres da Bíblia em termos racionais. O Hegel nseua teologia com seua literatura. Ele também é influenciado, entretanto, pelo trabalho mais velho de Luther, Boehme e Eckhardt. O trabalho dos pais cedo de igreja e o sholastic medieval parece ter sido muitos menores nseus focos. (vê: Jäschke de Walter: "Morre Vernunft em Religião de der", Fromann-Holzboog, Cannstatt Stuttgart-Mau 1986, ISBN 3-7728-1188-4 e Küng de Hans: "Gottes de Menschwerdung", Barth de Karl: "Morre 19.Jahrhunderts de des de Theologie de protestantische", Schweitzer de Albert: "Forschung de Jesu de Leben de der de Geschichte")

O Hegel era um do primeiro também incluir as religiões não cristãs nseu raciocínio teológico, e para fora dseu contempories, ele supera como o com os interesses fundos largos e conhecimento destas outras religiões. Para estas religiões não cristãs dseu tempo, Hegel principalmente contou com os relatórios de exploradores e missionários cristãos e as traduções emergentes de textos sagrados destas religiões. (Vê: Lenze de Reinhold: "Morre Hegel de bei de Religionen de außerchristlichen ", Vandenhöck & Ruprecht, Göttingen 1975 , 3-525-87468-5 de ISBN)

7,3. Tem uma boa biografia de Hegel?

Sim, vá a este URL:. http://www.hegel.net/hegel/hegelbio.htm No fim, também contem elos promover biografias na internet.

Em impressão, a melhor biografia inglesa é Pinkard de Terry: "HEGEL - uma biografia", Cambridge Prensa Universitário, Cambridge 2000. A biografia alemã bem recente é Althaus de Horst "und de Hegel Morre Philosophie de der de Jahre de heroischen", Verlag de Hanser de Carl, Wien de München 1992. A biografia velha de Hegel (e em algum considera ainda o melhor) é de Rosenkranz de Karl: "Leben de Hegels de Friedrich de Wilhelm de Georg" (agora disponível como uma brochura em Buchgesellschaft de Wissenschaftliche, 3-534-13817-1 de ISBN).

Para o próprios estudos, as fontes bem recomendadas são letras do Hegel (em 4 volumes, onde volume 4 consiste em 2 subvolumes, incluindo documentos em vida do Hegel e um índice com alguns dados curtos de bio de mais de 2.000 pessoas mencionado em letras do Hegel) e "Hegel em Zeitgenossen de seiner de Berichten" (Hegel em relatórios dseu contempories), ambos publicado por Verlag de Meiner, Hamburg. Ouvi que ao menos as letras foram traduzidas em inglês entretanto. Ao menos 90% de cada biografia de Hegel é composto do material achado nestas últimas três fontes. Livro famoso do Kaufmann de Walter "Hegel - um reinterpretation", contem uma coleção interessante útil de destacar para fora destas letras e relatórios.

7,4. Hegel não viu a história de vinda de Filosofia a seua conclusão consigo só?

Não.

O Hegel veu Filosofia como continuamente crescendo e desenvolver. Veu se como a altura de Filosofia em 1830, mas esperou Filosofia crescer depois que o. Entretanto, estava claro que Nenhuma Filosofia estaria capaz completamente superaá-lo até que primeiramente tinha dominado seuas idéias.
(Vê também: 2,1. Hegel não disse que a idade moderna é o Fim de História ? e a resposta à próxima pergunta) ?

7,5. Como Hegelians de poder explica Filosofia depois de Hegel?

Isto ardentemente é debatido.

Naturalmente, algum não-ou anti Filosofia de Hegelian também não apareceu para fora de necessidade mas para "razões externas, qualquer um por causa da ignorância dos mais novos filósofos, que não fez mais lê nem Hegel entendido, nem por causa de razões políticas, onde especialmente ênfase central do Hegel sobre a luta para o desenvolvimento de liberdade universal não era bem-vindo a algum.

X. MAIS AINDA INTERROGUE

O X. 1. Por que Hegel tão profundamente esteve entendido mal?

Há várias razões.

Um. Antes de tudo, linguagem do Hegel é muito difícil, e como uma conseqüência muito difícil de traduzir. As razões para esta obscuridade total são numeroso: primeiramente, Hegel usa (traduzindo-os em alemão) termos técnicos derivados de metafísica tradicional de Wolffian e Kantian filosofia crítica, como reworked por figuras menos bem-sabidos de idealismo alemão (tal como Reinhold, Jacobi e Hamann). Estes termos técnicos, enquanto sabido a contemporâneo do Hegel porque usado comumente nos textos filosóficos, não são mais comum. Um trabalho como Inwood de Michael "Dicionário de Hegel" pode ser de muita ajuda aqui.

Também, a pesquisa de Hegel de philological fez avanços tremendos nos últimos 30 anos. No inglês falando traduções de confiança, regulares mundiais de trabalhos importantes do Hegel tem perdido para tempo longo (vê Kaufmann de Walter "Hegel - um reinterpretation" para uma vista geral), uma situação que tornou-se melhor só sobre os últimos 15 anos.

Segundamente, filosofia especulativa do Hegel não aplica as mesmas regras usadas em lógica formal clássica. Portanto Hegel tenta de formular as palavras e a estrutura costumeira de cada sentença, de modo que é capaz melhor assentar o contexto de filosofia dialética especulativa.

Finalmente, próprio estilo do Hegel é difícil, e clareza nunca era um dseus melhores atributos, se em público nem no anfiteatro.

A dificuldade de formulações de linguagem do Hegel causou equívocos e sábios menos motivados dissuadidos realmente ler textos do Hegel; muitas da literatura secundária em Hegel é baseada, em volta, em literatura secundária. Este preconceitos velhos ajudados e erros brutos perpetuar e propagar.

B. Por causa da estrutura de especulativo/dialectical de filosofia do Hegel, é mais fácil - para leitor quanto menos motivar ou apressado - tomar para próprio conclusão do Hegel o resultado parcial de raciocínio mais complexo. Próprio tratamento do Hegel de posições que ele não endossou é, tipicamente, um de cingir e penetrar a oposição, mostrar, por dentro, seuas inconsistências internas e auto-contradições.

É portanto compreensível que partes de raciocínio do Hegel são realmente fundas analisa de posições teóricas que necessita ser sublated, e que o resultado destes analisa é diferentes dos argumentos usado, embora estes argumentos são parte integral do resultado alcançado.

A importância profunda de conceito do Hegel de "sublation" ( "Aufhebung") freqüentemente foi perdido. O Sublation às vezes foi considerado como "reconciliação" simples com posições opostas prévias, às vezes como profere "eliminação" de posições prévias. Raramente foi entendido que meio de sublation ao mesmo tempo "superando" e "preservação" de posições prévias.

C. Finalmente, Hegel tornou-se a vítima de um clima político aquecido que levou a um uso de propagandistic dseua filosofia política presumida contra vários inimigos políticos.

Durante seua vida, Hegel foi atacado pelos nacionalistas alemães para seua falta de patriotismo, e desprezado por conservadores e reacionários para seu apoio aos ideais da Revolução francesa. Depois que seua morte, seua filosofia foi usada como uma bandeira para a juventude liberal progressiva ativo antes da 1848 revolução em Alemanha, mas também criticado para seua posição moderada por um emergir movimento comunista. Durante a era de Bismarck, Hegel era quase esquecido devido à tendência de Positivismo em filosofia, e quando foi lembrado de ele freqüentemente foi desprezado para seu "un-German-ness" e seua filosofia inspirada, francesa antipatriótica.

Durante Primeira Guerra Mundial, como qualquer outro elemento alemão culturalmente relevante, Hegel foi feito o assunto de apressado, brutamente simplificando e propaganda militar áspera, e condenado como um das expressões primeiras de um alemão vai ir para acionar, tribalism, preponderância do Estado e militarismo. O advento de Nazismo e a epidemia de Segunda Guerra Mundial contribuído para criar uma imagem falsa definitiva de Hegel, particularmente nos países anglo-saxã. A epidemia de Guerra Fria, e os elos entre o Marxismo e alguns conceitos de filosofia do Hegel, contribuíram para fazer Hegel o bode expiatório, alternativamente, para Nazismo, militarismo, totalitarismo e Comunismo.

O X. 2 mais leitura

Recomendamos o livro 'Os Mitos de Hegel e Lendas, Ed. Stewart de Jon 1996. Seua Apresentação pode ser achada online no Hegel por páginas de Hypertext.
MAIS Hegel relacionou lendo pontas pode ser achado na seção de Hegel.Rede 'TRABALHOS dedicado a Hegel secundário primário relacionou literatura, especialmente na seção em primeira leitura sugerida.



A lista de pergunta foi desenvolvida por Trejo de Paul. As respostas secionar 1, 2 e X. 1 foi escrito por Canfora de Maurizo, incluindo entrada de Trejo de Paul e Froeb de Kai. As seções 3, 4, 5 e partes de seções 6 estão sob desenvolvimento atual e são planejados seguir logo. A seção 6,5 e 6,6 foram escritos por Trejo de Paul e editado por Froeb de Kai. As seções 7 e X. 2 foram escritos por Froeb de Kai, incluindo entrada de Trejo de Paul.

Hegel.net é um esforço em conjunto de Hegelians mundial. Então, como sempre, seuas correções, comentários e adições ao acima de FAQ estão a maioria de boas-vindas. Por favor contate-nos por (webmaster@hegel.net) de email.

^
Copyright © 2000-2007 by hegel.net, Kai Froeb.
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Esta obra está licenciada sob uma Creative Commons Developing Nations Licença.
Terms of Use   Privacy Policy